22/11/2021 às 09h34min - Atualizada em 22/11/2021 às 13h40min

A artista Duda Oliveira traz arte experimental em forma de manifesto ambiental na exposição "Enredados"

Telas de lona mergulhadas na Baía de Guanabara e esculturas com sucatas traduzem processo artístic

SALA DA NOTÍCIA PAULA MARIA CORREA RAMAGEM SOARES
Marcelo Wance


 
 
 
Qual o potencial da artista Duda Oliveira? Umas das respostas mais óbvias está na forma como  mistura arte e meio ambiente, nas esculturas que se utilizam de sucatas e traduzem o envolvimento das pessoas com as diversas redes sociais, e na sustentabilidade pulsante das telas de lona mergulhadas nas águas da Baía de Guanabara, repletas de fortes coloridos inéditos em suas pinturas.

O resultado dessa epifania está na exposição "Enredados", no Centro Cultural Correios RJ, que tem por objetivo questionar ações e exigir mudanças de comportamento, mexendo com as emoções dos visitantes, até o dia 04 de dezembro.

 
Duda Oliveira contribui, em "Enredados" , com um processo de arte experimental, como forma de protesto, utilizando tecidos mergulhados nas águas repletas de detritos da Baía de Guanabara, metal naval, vergalhões e sucata, transmutando em obras vivas o que era apenas descarte indevido.
 
As obras criadas para essa exposição por Duda Oliveira, que também é ativista e advogada ambiental há 20 anos, constituem a "Ação Afirmativa para o Meio Ambiente", com pedido de agenda política de incentivo fiscal a quem maneja corretamente o descarte de lixo, como forma de conscientização e de articulação de uma gramática própria para fazer, desse ato, um manifesto ambiental.
 
“A escultura e pintura são a minha fuga, um momento em que fico ligada somente em mim. Mas ainda assim, eu consigo materializar a pesca. A vida sempre me levou para esse lado, em todos seus extremos”, diz Duda. "Meus quadros possuem sempre marcas da ação do tempo, desgastes, arranhões... Minha linguagem na pintura está ligada à maneira que o tempo faz seu registro em tudo o que é vivo e resistente. As cores sempre vibram, como se pulsassem vida e quisessem transpor tempo e espaço,  em um constante paradoxo de vida e morte, existir e possuir, buscas do eu existencial".
 
Método artístico e a arte ambiental
 
Inspirada nas crises ambientais que o mundo vem atravessando, Duda Oliveira desenvolveu um novo método de arte experimental, utilizando-se  da técnica de fermentação da levedura, para interferir nos efeitos visuais dos seus trabalhos em tela.

A imersão dos tecidos na Baía de Guanabara, como ato simbólico de protesto ambiental, com a  intenção inicial de fazer com que houvesse marcas de detritos e óleo nas telas, não ocorreu. Os tecidos saiam limpos, mesmo quando mergulhados em ambientes degradantes e poluídos. Ao aplicar óleo, manta asfáltica e coloração natural sobre alta temperatura nos mesmos tecidos, a experimentação da artista começou a reagir, sofrendo a ação de leveduras, num fenômeno químico de decomposição de detritos sedimentados nos tecidos, gerando formas inusitadas e alterando as colorações das telas.

O cruzamento da grafia visual e da reação química de matérias orgânicas aos elementos vivos que se encontravam na tela, imprimiram uma marca implacável do tempo e do espaço, dando a sensação de força e tensão visuais as arranhaduras e nódoas justapostas na tela.

A organização de ideias da artista, inspirada nos Parangolés  de Hélio Oiticica, que fundou a “antiarte ambiental” juntamente com a formulação das “ordens de manifestações”, transformou os materiais  contidos no seu espaço de vivência e de experiência diários, em outra ordem de coisas, com  experimentações de mutação do corpo vivo e transmutação da arte em vida autônoma.

Nas esculturas, a artista reinventa o metal naval, cimento, vergalhões e a madeira inutilizada, em boa parte das obras. Partindo destes experimentos, Duda convida o público a refletir sobre a potência existencial de vida, transformação e esperança no caos.  
 
Sobre a artista
 
Artista plástica contemporânea, niteroiense, Duda Oliveira estudou arte experimental na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, e História da Arte e da Arquitetura do Brasil, na PUC RJ. Desde 2018, vem participando de diversas exposições, com destaque para as Feiras Internacionais da Alemanha, Luxemburgo, em Salas Culturais em Portugal, nos Museus MASP, MAC Niterói e outros importantes espaços culturais do Brasil e do exterior. 
 
Serviço
 
Artista: Duda Oliveira 
Curadoria: Carlos Leal  
Abertura: 21/10 às 17h 
Período: 21/10 a 04/12/2021 
Dias e horários: Terça a sábados, das 12h às 19h
Local: Centro Cultural Correios Rio de Janeiro  
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – Rio de Janeiro  
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem @_paula_r_soares
Gratuito
Censura Livre
Acessibilidade
Instagram: @dudaoliveiraartista 
Apoio: Ventania Cultural, Centro Cultural Correios, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e Governo Federal. 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp